Páginas

quinta-feira, 3 de maio de 2018

CÍRCULO VICIOSO


Há um círculo vicioso envolvendo: a própria Sociedade; os Meios Culturais e o próprio Artista, que faz com que a Arte e a Cultura tenha um subaproveitamento nesse País...

Decorre principalmente da ideia => entretenimento, como algo irrelevante e de menor importância...

Dessa forma, apenas para "passar o tempo" ou "desanuviar" => "qualquer coisa serve".

Esse é um dos motivos da desumanidade e insensibilidade reinante das massas, moldadas que são pelos "modismos da hora"...

Daí decorre a decadência, em função da incapacidade de compreender a Arte sob o seu ponto de vista Evolutivo e Humanitário.

Claudio Pierre


terça-feira, 1 de maio de 2018

TREM DOIDO - DIA DO TRABALHO E OS NOSSOS “SUPOSTOS DEFENSORES”



No dia considerado como: “do Trabalhador”, a grande maioria dos que discursam "nos palanques" em defesa da classe trabalhadora, ostentando a bandeira de “defensores do povo” 
=> nunca exerceu de fato em suas respectivas trajetórias de vida uma rotina semelhante ao que se conceitua como Trabalho...

Portanto, não podem se comprometer em fazer prevalecer aquilo que determina a nossa Constituição Cidadã relacionada às garantias Sociais e Individuais.

Entretanto, sem dúvida, na condição de nossos “supostos representantes” continuam mantendo e defendendo o conjunto de seus privilégios pelo exercício dessa representatividade expressos na mesma Constituição, sob a alegação de que “nesse caso específico” estariam apenas cumprindo o que é sagrado e constitucional... . //

Claudio Pierre de França

sábado, 14 de abril de 2018

CALMARIA


CALMARIA


Neste Plano tudo está correlacionado...
Assim,
O estado genuíno de Calmaria
Ocorre do Vazio
Após a transposição da tormenta...

De modo que a tal
Constância do Paraíso
Nada mais é do que
A manutenção da relativa busca Interior
Em conformidade e respeito ao
Ciclo das Marés sob influência das Fases Lunares.

Alma de Lua

Claudio Pierre   

quinta-feira, 29 de março de 2018

HÁ UMA RAZÃO PARA ESTARMOS AQUI...

HÁ UMA RAZÃO PARA ESTARMOS AQUI...


Os que estão de alta, saem do hospital.
Os que cumpriram sua sentença, estão libertos.
Os que terminaram o curso, estão graduados.

A Terra é tudo isso...
Um hospital, um cárcere e uma escola. 

Em algum aspecto, há uma razão para ainda estarmos aqui.

                              
                                                            AUTOR DESCONHECIDO

segunda-feira, 26 de março de 2018

A ARTE QUE UNE


A Arte tem uma ação balsâmica...

Embora não possa ser dimensionada por todos dessa maneira, a sensação de Alegria Interior transmitida pelas várias manifestações artísticas gera uma importante vibração de harmonia e sentido de humanidade ao nosso redor...

// Nesse Plano – Trem Doido, aquele que se propõe a ser não uma Estrela, mas um instrumento da Cultura enfrenta um constante desafio repleto de obstáculos...

// O efeito balsâmico traz a Consciência de que Não Estamos Sozinhos!!!

                                                        PAZ!!!

Claudio Pierre

sexta-feira, 23 de março de 2018

QUEM ME REPRESENTA XXIX – A POLÍTICA ou “a politicagem”...


=>Política – S. f. 1. Ciência dos fenômenos referentes ao Estado; ciência política. 2. Sistema de regras respeitantes à direção dos negócios públicos. 3. Arte de bem governar os povos. 4. Conjunto de objetivos que enformam determinado programa de ação governamental e condicionam a sua execução. 5. Princípio doutrinário que caracteriza e estrutura constitucional do Estado. 6. Posição ideológica a respeito dos fins do Estado. 7. Atividade exercida na disputa dos cargos de governo ou no proselitismo partidário. 8. Habilidade no trato das relações humanas, com vista à obtenção dos resultados desejados. 9. P. ext. Civilidade, cortesia. 10. Fig. Astúcia, ardil, artifício, esperteza.

=>Politicagem – S.f. Deprec. 1. Política (4 a 7) mesquinha, estreita, de interesses pessoais. 2. O conjunto dos políticos pouco escrupulososos. Desonestos. (Sin. Ger.: politicaria, politiquice, politiquismo).

= Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa

///

Meu comentário: Uma das coisas que mais me incomoda é ouvir constantes comentários em que esses dois conceitos se confundem; ou seja, utilizamos a expressão: “Atitude Política”, como sinônimo de uma clara e cristalina prática Politiqueira tão corriqueira e institucionalizada neste País.

Claudio Pierre


sexta-feira, 16 de março de 2018

Ordinarius em "O Samba e o Tango"


DOIS FLASHES DE UM CORAÇÃO JUVENIL NO TEMPO


ACONTECE

Dois mundos tão distantes –
Espaços, Horizontes
Caminhos percorridos...

Quisera Eu
Encontrar do Teu Universo
Um Suspiro de Carinho Partilhado
Uma Gota de Amor.  
                                                                     Claudio Pierre

///

CALMARIA

Ouço sua voz,
E o tempo para...
Pacifico-me
Acalmando a Tempestade.

Sua voz é uma Oração
Para o meu ser Enamorado

Se há uma fonte para o Encanto
- Eterna Chama da Juventude
Sua nascente se manifesta
No Coração do Poeta
Adormecido em cada Ser.
                                                                        Claudio Pierre   

sexta-feira, 9 de março de 2018

Rao Kyao - Travessia

UM NOVO CARINHO BATEU À MINHA PORTA


Um novo Carinho bateu à minha porta
A Esperança entrou e inundou a casa
Molhou meus lábios
Enxugou minhas lágrimas
E encharcou meus sonhos
Mas, de repente, o Medo nasceu no meio da sala
Com suas grades, pedras e poeira
E nos deixou as vidas secas
Então veio a Tristeza com suas manias
O Sol decidiu ir embora
E me levou a água
O pão
E o vinho...
                  José Antonio Maia
           março de 2018

//////////////////////////

Meu comentário: O Carinho e a Esperança... O Medo e a Tristeza...
Na Torrente Emocional de Nossas Vidas, pela Visão Poética, A Palavra faz com que significados aparentemente contrários sejam interligados e ganhem sentido de Unidade.      Claudio Pierre

MANIPULAÇÃO DAS MASSAS


Na medida em que priorizamos nossas respectivas subjetividades baseadas na constante sintonia com os nossos: Sentimentos, Ações e Atitudes; diminuímos essa interferência exterior, e geralmente, adquirimos respeito sobre as diferenças...

O problema é que a politicagem faz exatamente o contrário, pois sob os valores artificiais desse Plano => É muito fácil se esconder / ou se promover sob rótulos; seja por ignorância, seja por esperteza... // 

Essa é a forma de “manipulação das massas”.

Claudio Pierre

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

QUARTA FEIRA DE CINZAS


QUARTA FEIRA DE CINZAS


É momento de descer as cortinas do palco

Amanhã será um novo dia...

Enfim, aquele estado carnavalesco hilariante de uma eterna felicidade coletiva em meio à multidão; onde artificialmente não há espaços para os problemas => se desfaz.

Amanhã as celebridades da hora continuarão sendo “paparicadas” pela mídia que não tem nenhum compromisso com os valores que edificam realmente – Educação e Cultura;

e

Pela massa que segue robotizada: invejando / almejando e cultuando seus “ídolos fabricados” ...

Porém,

Deixarão de ocupar primordialmente o centro das atenções.


Logo o Cidadão Comum retornará a sua rotina considerada fatídica do trabalho...

Também pudera:

Sendo o trabalho considerado meramente uma tática / estratégia para ganhar mais, ao invés da devida estimulação oficial do SER a uma associação do seu Caminho valorizando-o com o subjetivo Ideal.  

Da mesma forma, pelo mesmo motivo acima, e em função da ausência da mesma estimulação oficial - o Estudante (não o “assistente de aula” - cada vez em maior número nessa “pátria educadora” – Brasil  País do Futuro – parado no tempo...); volta a “perder seu tempo”, tendo de estudar...

Enfim, mesmo que ocorram exceções a regra geral:   

-  A massa saudosa consternada fica a espera de um novo carnaval.    

Claudio Pierre

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

MANUEL BANDEIRA E AGENOR DE OLIVEIRA => ENCONTRO INUSITADO ENTRE DOIS POETAS SOB UMA TEMÁTICA SEMELHANTE: BUSCANDO SE ENCONTRAR...

Manuel Bandeira natural de Recife 19/04/86 – 13/10/68.

Vou-me embora pra Pasárgada é um poema de Manuel Bandeira, publicada no livro Libertinagem em 1930. O poema de características modernistas evoca um escape do poeta para um lugar melhor, fugindo da sua realidade.

Vou-me embora prá Pasárgada
                                     Manuel Bandeira
   
Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive
E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe - d’água.
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada
Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar
E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
- Lá sou amigo do rei -
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

//

Angenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola,natural do Rio de Janeiro, 11/10/1908 – 30/11/1980.

(Considerado por diversos músicos e críticos como o maior sambista da história da Música Brasileira) 


Preciso Me Encontrar
                     Cartola

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Sorrir prá não chorar
Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Sorrir prá não chorar...

Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer
Quero viver...

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Sorrir prá não chorar
Se alguém por mim perguntar
Diga que eu só vou voltar
Depois que me encontrar...

Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer
Quero viver...

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Sorrir prá não chorar...






sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

PONTO ALIENÍGENA - VIDAS SECAS BRASIL

VIDAS SECAS - BRASIL

Uma promessa de País do Futuro - condenada à paralisação no tempo, enquanto sob Esse Sistema Falido de Representatividade.


Claudio Pierre

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

A SIMPLICIDADE DA VIDA - MOMENTOS DE BRINCAR

Três Amigos se encontram regularmente para passear...

Dois deles com uma bela história juntos; pois superaram uma daquela fases críticas da vida com 
Afeto e Amor

O terceiro vive ao relento - sua casa é a rua.

Contudo, arriscaria dizer que é relativamente feliz; pois não compreendendo os "conceitos humanos"
baseados na "dualidade", instintivamente flui no seu dia após dia, mesmo sem saber das Bençãos do
Céu e da Terra. 

- Justamente Ele geralmente está presente para recepcionar com alegria seus companheiros a qualquer hora, faça chuva ou faça sol, nesse Momento Mágico de Brincar.


É fato que sob a ótica artificial desse Plano => dureza, pressa e disritmia; decididamente não 
valorizamos devidamente a Essência e banalizamos o Sagrado contido nos ensinamentos mais
Simples ao nosso redor sobre os benefícios da => leveza, calma e harmonia.

Certamente não podemos imaginar que estamos isentos das fases críticas da vida; mas deveríamos
valorizar nosso instinto de fluidez / lucidez para usufruir relativamente das Bençãos do Céu e da Terra sobre nossa Jornada que são percebidas / recebidas conforme a qualidade / simplicidade com que imprimimos nosso Movimento / Momento.

Ao Bondoso Coração Humano e 
Aos seus Dois Amigos de 4 patas.


Claudio Pierre  

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

OS DESAFIOS CONTINUAM OS MESMOS

Em 2018 os desafios continuam os mesmos; dentre eles, um me parece fundamental neste País:

A Compreensão do Cidadão Honesto de que o sentido da Política se
confunde com o Bem Estar da Nossa Família.

Em consequência disso, é importante diferenciar Política de "politicagem"...
Pois quando "abandonamos" a nossa subjetiva Ação Política, e a "delegamos"
a "terceiros" sob esse Sistema Falido de Representatividade - pleno de "politicagem" (também na Sociedade) - o resultado é desastroso para nós, caso tenhamos a mínima Consciência sobre Justiça Social - sem a "politicagem da hora".

Resumindo:
Sendo impossível (ainda bem), que TODOS tenham o mesmo ponto de vista -

Qualquer que seja sua opção deve ser respeitada:
- Esquerda, Direita, etc. / Eu por exemplo, aboli rótulos dessa natureza...

Entretanto,

Não dá para ter bandido de estimação, e ainda por cima, qualificá-lo de Político.

Claudio Pierre

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

INVERSÃO DE VALORES


Os Valores ($$$...) que movimentam o Mundo estão ERRADOS; 
e nessa toada aqui no Brasil - A ausência de representatividade legítima desnivela a balança da Justiça, para o lado dos que "sugam" da População em função de um conjunto "leis" que ratificam "privilégios" que não lhes pertence... // 


Claudio Pierre

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

ENTENDER E COMPREENDER

ENTENDER COMPREENDER

Entender totalmente outra pessoa é praticamente impossível; porém, qualquer SER que se dedique ao auto conhecimento já retratará um traço diferenciado...

Para mim, o problema é a palavra "equilíbrio" e suas distorções produzidas nesse mundo de aparências...
Ou seja, sob o "pretexto" do tal "equilíbrio" "as pessoas" têm a tendência da superficialidade em tudo o que fazem...

Todas as pessoas com quem convivi são mais significantes em minha vida, na medida em que compartilharam comigo a experiência do auto conhecimento.

Ocorre justamente que sem a interferência desse tal "equilíbrio exterior" (que vem de fora para dentro), o autêntico auto conhecimento exige de todos nós uma tomada de consciência em que compreendemos exatamente os limites dessa nossa condição humana; onde nem sempre "ganhamos" da forma como somos "programados" a crer como possível...

No fundo a ciência da vida está na aceitação da dor como uma das faces do amor.

//Por isso geralmente tudo o que escrevo se afigura para mim muito profundo e ao mesmo tempo simples - pois busco literalmente pensar aquilo que vivencio...

E essa não é uma questão de ter dinheiro ou não; ou de ter posses econômicas; ou de ter um curso
superior ou pós doutorado ou não...

Sinto que é realmente uma pena quando "valores artificiais" prevalecem sobre a Essência do SER; bem como, atribui-se a mente (com todas as suas "racionalizações), o controle total dessa nossa curta passagem neste plano...

Claudio Pierre

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

BREVE CITAÇÃO DE UM GRANDE ESCRITOR /PENSADOR


"Solidão é o modo que o destino encontra para levar o homem a si mesmo."  

Hermann Hesse - Escritor 1877/1962

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

QUEM ME REPRESENTA XXVIII

QUEM ME REPRESENTA XXVIII


Quem me representa?

São cada vez mais comuns - na Sociedade Aflita, Veloz e Artificial as alegações “das pessoas”:

- Eu não gosto de Política!
- Eu não me envolvo com Política!
- Eu odeio Política!
...


No fundo, tais racionalizações ocorrem porque somos estimulados, hipnotizados e doutrinados pela idéia enganosa de que a Essência da Política esteja configurada/condicionada pela “terceirização” da representatividade a outrem.

Ou seja, pelo pressuposto popular“não esquentar a cabeça”abdica-se da intransferível e necessária participação e Consciência Política do Ser, transferindo por exemplo, por meio do voto, a um diminuto Grupo, a decisão efetiva sobre o deve ou não deve ser feito em relação ao seu próprio destino.

Como nem sempre a composição da totalidade de tais grupos corresponde em qualificação e clareza de propósitos no sentido de trabalhar pelo Bem Comum; esse nobre conceito de Política é desvirtuado para:

- A “politicagem” de Grupos / Pessoas, que fingem fazer Política em seu nome, mas que em grande medida - agem em benefício próprio.



É nesse contexto, na ponta de tudo, sob Esse Sistema Falido de Representatividade que temos no Brasil (se não perdi a contagem...) nada mais nada menos do que 36 Partidos, supostamente Políticos – digladiando-se entre si, quando convém...

Cada qual se intitulando como: A única saída para o País.  

Nunca foi tão cristalina a "manipulação" dos tiranos sobre "as massas" - mobilizando-as conforme "conveniência" de seus próprios interesses corporativos.

Existe de maneira geral um clima de intolerância, conforme a direção:
Ser de esquerda; direita; centro...

No fundo, sob essa estratégia mentirosa, estão buscando arrebanhar "soldadinhos de chumbo" - que ficam na linha de frente, dispostos a qualquer sacrifício por "eles".

Particularmente não tenho conexão com rótulos dessa natureza e penso que mais do que nunca seja necessária a reflexão do Cidadão de Bem, sobre a distinção entre Política e "politicagem".

Podemos conviver Politicamente com as diferenças, com base no respeito mútuo; mas com a condicionante fundamental

=> Repelirmos a politicagem; seja de que lado estiver.


Por isso, respeitando opiniões contrárias, quem diz:

 – Não gosto de Política...


Não compreendeu, sobretudo interiormente, a diferença entre Política
e politicagem.


Claudio Pierre  

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

QUEM ME REPRESENTA XXVII

QUEM ME REPRESENTA XXVII


CARGOS DE COMISSÃO E CHEFIA - A DANÇA DAS CADEIRAS PERVERSA


Dizem por aí...: “O Voto é Sagrado!!!”

No entanto, eis que determinado Cidadão, supostamente eleito para cumprir o seu “mandato de representatividade”, subitamente abandona ao seu bel prazer tal compromisso, para ocupar, sem concurso, as mais diferentes cadeiras executivas, geralmente sem nenhum preparo para tal, e ainda levando consigo uma legião de assessores em cargos de comissão.

O mais interessante é que por “força da lei”, é garantido o seu retorno ao posto sagrado pelo qual foi originalmente convocado, quando bem entender...

E é assim que “ele” - “senta” e “levanta” da cadeira, pelos mais diferentes pretextos da “politicagem”, como por exemplo:

Levanta para “garantir” os votos do executivo em questões parlamentares; 
e, ... 
Senta novamente, após essa única votação...

Ocorre que:

Se O Governo é do Povo e pelo Povo – a pergunta a ser feita é:

- O Povo apoia Leis dessa natureza?


Claudio Pierre  


quarta-feira, 29 de novembro de 2017

O QUE É OU NÃO É?

O que é ou não é Arte / Cultura?

=> Na "Sociedade Veloz" existe muita "polêmica" envolvendo esse questionamento...

Na minha Visão - em qualquer tempo - muito além do sentido comercial e midiático que predomina perante as massas...

A Genuína Arte / Cultura 
É Aquela que UNE!!!


Claudio Pierre

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

EFEITO DEVASTADOR

Creio que um dos motivos pelos quais a Arte que Une vem enfrentando obstáculos no marasmo Cultural vigente, se deve ao fato da ignorância das massas...

... Aceitando resignadamente ser "conduzida" pela presa "do mercado" - "500 mil músicas diferentes ao alcance dos dedos" - deixou de perceber, apreciar e se sensibilizar com
o sentido global de um registro Artístico. //

No meu juízo, o efeito é devastador:
- É a mesma coisa que ler apenas uma página de um livro de Romance ou Poemas de um mesmo Autor - descartando o Conteúdo e a Essência dessa Obra.

Nesse sentido - Considero que o compasso do ritmo produzido no "mundo globalizado" não é muito inteligente.

Claudio Pierre

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Réforme du Code du Travail : les syndicats tentent encore de présenter u...

DISTINÇÃO NECESSÁRIA

Face aos estragos provocados pelos ladrões (travestidos de políticos) que integram as organizações 
criminosas neste País; penso que seja mais do que nunca necessária a Reflexão do Cidadão de Bem
sobre a distinção entre Política e "politicagem". 

Claudio Pierre

terça-feira, 7 de novembro de 2017

PRIMAVERA

PRIMAVERA
                               Cecília Meireles

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.