Páginas

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

BRINCANDO COM PALAVRAS

Brincando com palavras...

Enquanto a fórmula social de entretenimento das massas resultar
Da “melodia” Skin din din din... Skin din din don...; e os “pancadões”...

Combinadas com:
- Letras tipo: “Você é a mulher mais perfeita da terra...”; “As cachorras e as popozudas – as preparadas”...
- Aquele “toque” (inconveniente): de saxofone ao fundo...; ou, o tradicional Tum – Tum-tum-tum-tum...  
- Passinhos coreografados pela massa e/ ou, descendo até o chão...;

E ainda assim, mesmo diante desse quadro dantesco...

Tudo isso não fizer nenhum sentido sem a presença da “verdadeira estrela da “festa” => A Cerveja; ou similar... 

A Sociedade estará numa fria no sentido da Cultura e da Arte => Pode crer!!!  


Claudio Pierre 

sábado, 12 de agosto de 2017

QUEM ME REPRESENTA XXV

QUEM ME REPRESENTA XXV


O problema do Brasil não é a Política; mas a legião de politiqueiros que exercem uma "suposta representatividade" visando unicamente à manutenção de seus privilégios...

De modo que, quando essa legião realiza algo positivo para o povo - na direção do real crescimento da Nação (e são raras essas iniciativas) - são os primeiros a pronunciar o conceito Política (nesse caso com propriedade).

Porém, quando denunciados por crimes de corrupção e desvio de dinheiro público, devidamente comprovados pela Justiça - são os primeiros a pronunciar que se trata de perseguição Política...

Esse engodo é típico de um Sistema Falido de Representatividade como o nosso - em que utilizamos uma mesma palavra, conforme a "conveniência da hora".

Esse problema é antigo nesse País do Futuro, parado eternamente no tempo... Porém, desde que certa personagem, "coordenada pelo marketing enganoso" - inventou a expressão: "mal feito"; parece que "roubo" tem outros predicados.



Claudio Pierre 

terça-feira, 1 de agosto de 2017

A INVENÇÃO DA “SOCIEDADE ARTIFICIAL – “O MUNDO DAS CELEBRIDADES”

De algum modo, a Ilusão é parte integrante da Natureza Humana...

E o reflexo dessa programação coletiva da Ilusão também se manifesta na Sociedade...

Assim, sob as bases artificiais da ilusão – a sociedade inventou certo mundo das Celebridades, tão almejado e vivenciado por muitos...

Essa miragem se baseia na ostentação, no luxo e na obtenção de riqueza material desproporcional ao que é necessário neste Planeta.

Há uma indústria de consumo que alimenta e sustenta essa ilusãotanto para aquele que em função de sua Sina, nunca terá essa condição; como também, no personagem que obtém essa aparente conquista.

De modo geral, todas as classes e categorias buscam de uma forma ou de outra, esse prestígio – desde os marginais até os cidadãos de bem...


Do meu ponto alienígena estranho:

=> Os tapetes vermelhos;
=> Os contratos milionários;
=> A posse de jatinhos, ilhas, iates e suntuosas mansões por uma ínfima parte da população.


Mas, nesse Plano artificial, essa é exatamente a diferença que distingue e nivela: que é alguém, de quem não é ninguém.

Parece-me que essa ignorância é uma das causas de tanta miséria na terra:

 => A disputa ao reles poder pelo ranking – de quem ostenta mais...
Criando castas e subcastas entre os semelhantes. 


               Claudio Pierre

///

Meu comentário:
- Apenas uma exemplificação:

Certa vez, estive no Centro Cultural Banco do Brasil, visitando a exposição do grande trompetista Miles Davis.
- A sala mais visitada era a que expunha a Ferrari que ele possuía.

Entre outras categorias, grandes artistas sobressaem mesmo sob a mediocridade vigente...

Porém, automaticamente com esse nível de artificialidade, estão igualmente inseridos nessa invenção do mundo das celebridades; inclusive, via de regra, pagam um preço por isso...

Em meio a tanta bajulação e ostentação; sobretudo, pela pressão sob sua imagem – que muitas vezes leva ao desleixo com a própria saúde  – precocemente abreviam suas carreiras.

O pior é que no íntimo, sabemos disso, mas permitimos que a Indústria da Ilusão seja mais forte do que a essência, e consequentemente contribuímos para que essa história se repita.


Quantas pessoas no mundo não estão subliminarmente portando-se como celebridades, nesse contexto artificial? (cada qual em seu nível?!?).     


        Claudio Pierre